Episode: Leaving

Sarah Draken: “Você não vai tirar meu filho de mim!”
Lord Dragon: “Não vou tirá-lo de você. Só quero que ele tenha uma melhor educação.”
Sarah Draken: “Ele tem a melhor educação no local onde se encontra.”
Lord Dragon: “Discordo plenamente.”
Sarah Draken: “Ele não vai com você. Não vai transformar meu filho em um inumano.”
Lord Dragon: “Mas ele nunca foi humano e nem será.”
Sarah Draken: “Se depender de você…”
Lord Dragon: “Não há chances disso acontecer. Nas veias do seu filho, apenas corre meu sangue.”
Sarah Draken: “Ele nunca aceitará essa proposta!”
Lord Dragon: “Não vai querer apostar…”
Black Dragon: “Oi, mãe.” – ele surge com duas mochilas. Uma nas costas e outra na mão direita.
Sarah Draken: “O que é isso?”
Black Dragon: “Vou morar com ele.”
Sarah Draken: “O quê!?”
Black Dragon: “Mãe. Se liga. Eu preciso ampliar meus horizontes.”
Sarah Draken: “Isso não é coisa sua. Vejo seu pai colocando palavras na sua boca.”
Black Dragon: “É verdade. Eu só preciso ser forte. E lá no apartamento dele, não preciso lavar louça.”
Sarah Draken: “Você não lava aqui.”
Black Dragon: “Mas não gritam comigo por isso.”
Sarah Draken: “Não te autorizo a ir embora. Você vai ficar aqui com a sua mãe.”
Black Dragon: “Mãe. Já falei com o juiz. Tá tudo certo.”
Sarah Draken: “COMO É???” – ela se enfurece e perde a razão.

Meses depois…

(Rádio do carro): “E o casal pegou trinta anos de prisão por conta do assassinato brutal da criança de quatro anos..”
Black Dragon: “..Que saco! Isso de novo. Muda a estação. Bota um funk.”
Lord Dragon: “Trocar lixo por outro?”
Black Dragon: “Então desliga.”
Lord Dragon: “Desligado. Mas entende porque eu quero que você vá para essa escola? Não gosto da sua relação com humanos.”
Black Dragon: “Porque eles podem me jogar pela janela?”
Lord Dragon: “Humano é a parte putrefata do mundo.”
Black Dragon: “É a parte o quê!?”
Lord Dragon: “Eu não seria capaz de jogá-lo de uma janela. São atos de monstros. E os monstros são humanos.”
Black Dragon: “Humanos ou não, qualquer um que faz isso com o ser do próprio sangue merece a morte.”
Lord Dragon: “Justiça com as próprias mãos?”
Black Dragon: “Se a justiça não funciona, por que não?”
Lord Dragon: “És um ser muito radical.”
Black Dragon: “Mamãe diz a mesma coisa. Não com essas palavras, mas diz.”
Lord Dragon: “Por falar nela, como ela está?”
Black Dragon: “Sei lá. Não falo com ela faz um mês.”
Lord Dragon: “Por quê?”
Black Dragon: “Ela só grita pedindo pra eu voltar.”
Lord Dragon: “Pedindo?”
Black Dragon: “Mandando.”
Lord Dragon: “Agora sim. Típico. Olha. Estamos chegando.”
Black Dragon: “Três semanas atrasado. Vou ficar com vergonha de entrar lá.”
Lord Dragon: “Tive problemas com a papelada. Por isso a demora.”
Black Dragon: “Não é mais fácil falar que esqueceu? Não sou um de seus empregados.”
Lord Dragon: “Motorista, deixe-o aqui.”
Black Dragon: “Na esquina?”
Lord Dragon: “Não quero que saibam de quem você é filho.”
Black Dragon: “Não quer ser visto.” – sai do carro.
Lord Dragon: “Tchau, filho. Motorista, vamos embora.”
Black Dragon: “Pai.”
Lord Dragon: “O quê?”
Black Dragon: “Como se sente tendo que viver escondido?”

No final da rua acontece um acidente.
O barulho inquieta todas as pessoas ao redor, menos pai e filho, que se entreolham.
O carro parte e deixa Black sem resposta.

(continua…)

Anúncios

Episode: Begin

Num futuro não muito distante.
Universo paralelo.
Escuta-se o choro de um bebê.

Local: Hospital.

Baby: “Ueeeeeeeeh, Ueeeeeeeeh” – apesar de não parecer, isto é um choro de bebê.
(Doctor): “Parabéns! É um menino!”
Sarah Draken: “Vem cá, meu pequenino Draken…”

Ela o segura com cuidado.

Sarah Draken: “Não chore, você está seguro agora.”
Baby: “Snif, snif…”
(Doctor): “Então… Draken será o nome dele?”
Sarah Draken: “Não, não. Draken é apelido. O nome dele será Black!” – ela sorri. – “O sobrenome ainda não escolhi.”
(Doctor): “Pelas regras da nossa sociedade, ele deve ter o sobrenome do pai.”
Sarah Draken: “E o que acontece quando não se tem um pai?”
(Doctor): “Como assim? Onde está o pai deste menino?”
Sarah Draken: “Não sei. Nos separamos. Acho que ele nunca soube que eu estava grávida.”
(Doctor): “Entendo. Pretende cuidar dele sozinho? Corajosa você.”
Sarah Draken: “Já estou acostumada. Crio uma menina também.”
(Doctor): “Acho que a senhora prefere ficar sozinha com seu filho neste instante não é?”
Sarah Draken: “Acertou na mosca!”

(Doctor) sai da sala.

Sarah Draken: “Escapamos de uma fria hein!” – ela sussurra. – “Ninguém pode saber quem seu pai é.”

O bebê adormece.

Sarah Draken: “Filho de Lord Dragon, o destemido. Black Dragon. Seu nome será Black Dragon.”

O bebê sorri.

Sarah Draken: “Que fofo! Ele gostou do nome! Eu te amo muito tá?”

Sarah adormece também.
Mais tarde…

(Doctor): “Minha senhora, aconteceu algo inesperado…”
Sarah Draken: “O que aconteceu com meu filho???” – pergunta desesperada.
(Doctor): “Com seu filho nada. O problema está em você.”
Sarah Draken: “Não estou entendendo nada! O que houve? O que vai acontecer comigo?” – mais desesperada ainda.
(Doctor): “Calma, não acontecerá nada. Apenas relatarei um fato estranho.”
Sarah Draken: “Eu vou ficar com meu bebê não vou?”
(Doctor): “Sim. Dá pra senhora se acalmar?”
Sarah Draken: “Então pára de enrolar!”
(Doctor): “Fizemos os exames de costume no seu filho…”
Sarah Draken: “Sim…?”
(Doctor): “Entre eles o DNA.”
Sarah Draken: “E constatou o que?”
(Doctor): “Que ele não tem o DNA da mãe.”
Sarah Draken: “O QUE?” – espantada… não é pra menos.
(Doctor): “Também achei estranho. Refiz o exame muitas vezes em vários equipamentos diferentes. Por sorte, só eu o examinei. Então deixarei que o leve consigo. Se por acaso outra pessoa soubesse disso, com certeza isso não seria possível. Será um segredo nosso, tudo bem?”
Sarah Draken: “Obrigada!” – aliviada. – “Mas ainda assim é muito estranho.”
(Doctor): “Eu que o diga. Nunca vi isso na minha vida!”
Sarah Draken: “Quando terei alta?”
(Doctor): “Você poderia ir neste exato momento. Mas está escuro demais, chovendo muito. É melhor que vá pela manhã. Os deixarei a sós. Até amanhã.” – caminha para a porta.
Sarah Draken: “Até … (Doctor)!” – ela o chama.
(Doctor): “Que foi?”
Sarah Draken: “Obrigada!”
Doctor: “Não há de quê.” – fecha a porta.
Sarah Draken: “Ele é tão bonzinho comigo…”

Adormece novamente.
Na manhã seguinte…

Local: Rua. Em frente ao Hospital.

Sarah Draken: “Obrigada por me acompanhar até o táxi. Não sei se conseguiria trazer meu bebê sozinha. Ainda estou bastante cansada.”
(Doctor): “Tem certeza que não precisa de minha ajuda? Para mais nada? Eu posso levá-la para sua casa. Sem cobranças.”
Sarah Draken: “O senhor está sendo um amor comigo. Quem me dera se todos os médicos fossem como você. Mas tenho certeza que não preciso de mais ajuda.”
(Doctor): “A gente… poderia se ver algum outro dia? Num tipo de… jantar?”
Sarah Draken: “Seria muito bom! Mas não posso. Não moro nessas redondezas.”
(Doctor): “Não pode ser tão longe. Eu vou lhe buscar.”
Sarah Draken: “No planeta Wyvern?”
(Doctor): “O QUE? Mas como… como… que veio parar aqui?”
Sarah Draken: “Como me cuido sozinha, deixei a menina com a avó e decidi viajar por conta própria. Só não esperava que o bebê viesse nascer aqui. Acho que fiz as contas erradas… que burra eu!”
(Doctor): “Não é burra, não tinha como adivinhar…”
Sarah Draken: “Por que mudou de feição?”
(Doctor): “Ahm… por nada.”
Sarah Draken: “Bom, estou indo. Adeus!” – entra no táxi.
(Doctor): “Adeus…” – dá um tchauzinho sem graça.

Ele vê o táxi sumindo no horizonte.

(Doctor): “Mulheres…”

No táxi.

Sarah Draken: “(((…ainda bem que meus cálculos deram certo…neste planeta ninguém me conhece…que médico tolo…)))”

E assim a saga começa.

1 Year.

Sarah percebe que Black é um bebê um tanto quanto especial.

Sarah Draken: “Mas você tem que comer filho. Toma…”

Black rejeita a comida de todas as formas. Parece estar nervoso.

Sarah Draken: “Estou me irritando. Coma logo!”

Os olhos de Black se tornam vermelhos. E um fecho de luz sai de dentro deles. Sarah grita.

Sarah Draken: “AAAAiii!!! Meu braço! … Não acredito que você também…”

Black apenas ri.
Sarah deixa o bebê no berço.
E caminha para o telefone.
Disca um número.
Alguém do outro lado atende.

(Unknown): “Hello!”
Sarah Draken: “Você tem que vir urgentemente!”
(Unknown): “Quem está falando?”
Sarah Draken: “Aquela com quem você passou os melhores momentos da sua vida. Como esqueceu da minha voz?”
(Unknown): “Sarah, é você? Estou numa reunião importante. O que poderia ser tão urgente?”
Sarah Draken: “Talvez se você soubesse que um filho teu também possui os mesmo poderes que o pai Lord Dragon.”
Lord Dragon: “UM FILHO??? Mas isso é impossível! Como não fiquei sabendo disso?”
Sarah Draken: “Pensei que poderia cuidá-lo sozinha. Não queria que ele seguisse os mesmos passos do pai.”
Lord Dragon: “Quando aconteceu?”
Sarah Draken: “Lembra quando jantamos naquele maravilhoso restaurante para conversar sobre nossas vidas e ..”
Lord Dragon: “.. Não estou falando disso! Quero saber quando ele nasceu?”
Sarah Draken: “Ano passado. Hoje é aniversário dele.”
Lord Dragon: “UM ANO ??? Amanhã conversaremos! Ainda mora no mesmo lugar?”
Sarah Draken: “Sim.”
Lord Dragon: “Tchau.”

2 Years.

Lord Dragon: “Sarah, sobre aquele assunto…”
Sarah Draken: “Agora não. Vou colocar as crianças pra dormir.”
Lord Dragon: “Você sabe que não tenho nenhuma ligação com você e posso fazer o que bem entender, não sabe?”
Sarah Draken: “Isso também vale pra minha pessoa.”
Lord Dragon: “Talvez precisemos levá-lo a uma escola especial.”
Sarah Draken: “Não enquanto eu viver. Já falei que não quero falar sobre isso.”
Lord Dragon: “Tudo bem… vou sair.”
Sarah Draken: “Vai pra onde?”
Lord Dragon: “Posso fazer o que bem entender. Não temos mais nenhuma ligação. Até mais tarde. Não me espere acordado.”

3 Years.

Black ganha um irmãozinho.

Lord Dragon: “Esse filho. Tem meu sangue?”
Sarah Draken: “Não. O pequeno Bruce é fruto de uma noite em que não esperei acordada um certo alguém.”
Lord Dragon: “Não a culpo. Quem é o pai?”
Sarah Draken: “Não sei.”
Lord Dragon: “Como espera que Black lide com um irmão mais novo?”
Sarah Draken: “Não espero.”
Lord Dragon: “Ele não tem um bom temperamento.”
Sarah Draken: “Quem será que ele puxou não é mesmo?”

4 Years.

Black também ganha problemas.

(Director): “Quero informar que seu filho quase matou um colega de classe.”
Sarah Draken: “Como isso?”
(Director): “Não sei. As crianças disseram que eles estavam discutindo e que Black se descontrolou.”
Sarah Draken: “Onde ele está? Como ele está?”
(Teacher): “Black Dragon… entre.”

Black entra na diretoria.

Sarah Draken: “Filho… por que você fez isso?”
Black Dragon: “Eu… não… lembro.
(Teacher): “Ele disse isso a manhã toda. Não podemos tolerar esse tipo de comportamento. Sugiro que o mudem de escola.”
Sarah Draken: “A senhora o está expulsando?”
(Director): “As crianças estão assustadas. Não queremos ensinar e criar seres medrosos.”
(Teacher): “Algumas crianças disseram que viram seu filho soltando raios de luz pelos olhos.”
Sarah Draken: “Tá certo. Ele merece lugar melhor. Preconceituosos. … Me diga. De que cor eram esses raios de luz?”
(Teacher): “Vermelhos.”
Sarah Draken: “Adeus.”

5 Years.

Lord Dragon descobre o algo especial.

Lord Dragon: “Vou levá-lo para escola.”
Black Dragon: “Quero ir com mamãe!”
Lord Dragon: “Mas mamãe não está em condições de ir. Ela tá dodói.”
Black Dragon: “Então não vou!”
Lord Dragon: “Nós vamos agora!” – agarra Black pelo braço.
Black Dragon: “Nããããããão!!!” – se enfurece.

Facho de luz.
Lord larga o braço de Black.

Lord Dragon: “Como você fez isso?”
Black Dragon: “Isso?”
Lord Dragon: “Você não sabe controlar?”
Back Dragon: “Só acontece quando fico muito nervoso… meus olhos ardem um pouco.”
Lord Dragon: “Você quer brincar?”
Black Dragon: “Sim! … Mas e a escola?”
Lord Dragon: “Sua mãe não precisa saber que você não foi. Um dia não mata ninguém.”

E assim começa o treinamento secreto.

6 Years.

É descoberta uma doença rara em Black Dragon.

12 Years.

Black Dragon mata pela primeira vez.

15 Years.

Black Dragon se apaixona perdidamente.
Férias de verão.

Brown Dragon: “E é aqui que passamos nossas férias do meio do ano. Uma semana só de zoação!”
Black Dragon: “Hum… só terá nós aqui?”
Green Dragon: “Não… chega gente de todo lugar.”
Crash Dragon: “E muitas garotas gostosas!”
Burn Dragon: “Com certeza!”
Green Dragon: “Quem são vocês?”
Crash Dragon: “Somos de outra província.”
Gray Dragon: “Excuse me… província?”
Burn Dragon: “Crash… eles são leigos.”
Crash Dragon: “Desculpe minha ignorância. Somos de outro local.”
Brown Dragon: “Olha lá! Las chicas!”

Várias garotas descendo de um ônibus.

Black Dragon: “São bonitas, gostosas… mas todas parecem tão… idiotas!”
Red Dragon: “Ou seja, pra casar!”
Brown Dragon: “Hahahahahahahahahahahahahaha… boa, Red!”
Gray Dragon: “Vamos nos instalar logo… senão ficaremos com os piores lugares.”
Red Dragon: “Vamos.”

Eles partem.
Black fica.

Green Dragon: “Hey, Black! Você não vem?”
Black Dragon: “Espera… não desceram todas as garotas.”

Quando finalmente…
Uma garota de cabelos claros, lisos, pele clara, olhos de mel… aparece.
Black parece atordoado.

Green Dragon: “Bora logo! … Que foi? Parece que viu um fantasma!”
Black Dragon: “Ela… é linda.”
Green Dragon: “Aquela garota ali? As outras são melhores.”
Black Dragon: “Você não entende. É ela!”
Green Dragon: “É ela…?”
Black Dragon: “Que vou casar!”
Green Dragon: “Já? Está aqui não faz nem 10 minutos. E já quer casar?”
Black Dragon: “Ela é perfeita! Uma deusa! Ela não é como as outras.”
Green Dragon: “Você é louco! Vamos logo!”
Black Dragon: “Vou ficar mais um pouco.”
Green Dragon: “Guardo um lugar pra você então…”
Black Dragon: “Agradeço. Agradeceria mais se descobrir o nome dela.”
Green Dragon: “Tá apaixonado… Veremos amanhã. A viagem foi cansativa e só penso em dormir.”
Black Dragon: “OK. E não estou apaixonado… Estou amando!”

Aqui a história começa.
Na verdade, ela começa uns meses atrás…

(continua…)